Foto: Shutterstock

O seu pai é um grande fã de vinhos? Então esse é o momento de presenteá-lo com os accessórios capazes de deixar a degustação da bebida ainda melhor. O sommelier internacional Rodrigo Bertin, criador do projeto Vinho Mais, revela os itens que fazem a diferença e realmente elevam a experiência.


Foto: Shutterstock

A taça certa

“A primeira coisa a notar é o material. A taça de vidro é mais rústica e mais durável, mas para a degustação de vinho ela não é tão adequada. A de cristal é mais fina e porosa, fazendo com que as moléculas do vinho se prendam à superfície e o aroma exale com maior potência. O formato também importa. As melhores taças para degustação tem a boca mais afunilada que o corpo para que os aromas sejam bem perceptíveis. Quanto maior o bojo da taça, maior a superfície de contato do vinho com oxigênio, potencializando essa sensação. No geral, os vinhos tintos precisam dessas taças com bojos maiores, porque eles precisam de mais oxigenação. Já os brancos pedem taças menores para que não esquentem”, explica.

Termômetro para garrafa

Para que você consiga perceber o aroma e o sabor da maneira correta o vinho precisa ser servido na temperatura adequada – tornando o termômetro de garrafa um grande aliado. “Ele é interessante e funciona muito bem. Quanto tomamos um tinto muito gelado acabamos percebendo demais o tanino, e quando o branco é servido quente a acidez fica muito acentuada. Para os tintos nós aconselhamos cerca de 18 graus, e para os brancos cerca de seis graus“, indica.


Foto: Fenea Silviu/Shutterstock

Decanter ou areador

O seu pai tem o costume de abrir vinhos mais antigos e especiais? “Os chamados vinhos de guarda, que ficam repousando por mais de 10 anos, precisam do decanter para acelerar o processo de oxigenação e para separar os sedimentos, impedindo que a borra caia na taça. Agora, se vocês costumam consumir apenas as safras mais recentes, o melhor é contar com o aerador, que também faz com que o processo de oxigenação seja mais rápido e a sua garrafa fique no ponto ideal para consumo”, esclarece.

Tampa e bomba à vácuo

Quer degustar apenas uma ou duas taças durante o jantar, mas sem desperdiçar toda a garrafa? Então esse acessório é fundamental! “Ele realmente não pode faltar, principalmente para quem gosta de tomar vinho diariamente ou mora sozinho. A tampa e a bomba tiram todo o oxigênio, interrompendo o processo de oxidação da bebida. No geral, com elas conseguimos guardar os tintos por até cinco dias e os brancos por três ou quatro dias. Quanto maior a graduação alcoólica, maior a durabilidade”, conta o especialista.

Bottle stopper

Agora, se você e seu pai são grandes fãs dos espumantes, o ideal é ter a chamada bottle stopper – uma tampa especial que vai vedar a garrafa e impedir a saída do gás carbônico: “Se você não vai consumir toda a garrafa, então ela é obrigatória. É possível guardar por até dois dias sem perder as borbulhas e sem prejudicar a sua experiência”.