Foto: Marina Bakush/Shutterstock

Os queijos estão entre os alimentos mais apreciados no inverno, e para quem é fã das cervejas é possível deixar de lado a degustação tradicional com o vinho e apostar no casamento dessas duas iguarias para explorar novos – e surpreendentes – sabores! A sommelier Júlia Reis, da Sinnatrah Cervejaria-Escola, entrega as combinações de sucesso.

+ Descubra as cervejas ideais para servir nos dias frios

+ Para degustar sem pressa: os tipos de cerveja e como aproveitar cada um

“Existem possibilidades de harmonização de cerveja com todos os queijos, e se a ideia for degustar diversos tipos, o melhor é começar de baixo para cima. Inicie com leves e vá subindo até os mais marcantes para não perder a sensibilidade para as nuances e não atropelar os sabores”, explica.

Queijos suaves e frescos

Queijos de sabor sutil, como Ricota, Cottage, Frescal e até a Muçarela de Búfala podem ir muito bem com cervejas igualmente leves. “Nós podemos apostar nas American Lagers, nas Wheat Beers e outras opções pouco alcoólicas para que o sabor não seja perdido”, aponta. Outras possibilidades são as Amber Lagers e as Munich Lagers.


Foto: VDB Photos/Shutterstock

Queijos macios

Nessa categoria estão queijos bastante famosos como o mascarpone, requeijão, camembert e brie, além de outras opções que podem ser espalhadas em pães e torradas. “Eles já são um pouco mais gordurosos, então podemos pensar em cervejas com um pouco mais de amargor, como a Pale Ale, perfeita para o brie, ou a Amber Ale, que vai muito bem com o requeijão. Sabores caramelados também são interessantes e harmonizam muito bem, como os das Bocks suaves”, indica.


Foto: barmalini/Shutterstock

Semi-macios e semi-duros

Entre os chamados semi-macios estão o Gouda, o Colby e o Monteray Jack, enquanto nos semi-duros (aqueles que ainda podemos cortar com facilidade) se encontram opções como o Cheddar, o Suíço, o Edam, o Gruyere e o Emental. “Esses queijos são mais curados e trazem um pouco mais de sal. Temos dois caminhos: trazer opções com dulçor ou com amargor mais acentuado. Se quisermos ir além do queijo, podemos trazer também cervejas com notas de pão, que vão construir um terceiro sabor. A Weizenbock, uma cerveja de trigo mais alcoólica, vai muito bem, assim como a IPA (Indian Pale Ale) – ideal para o cheddar – ou uma Stout não tão potente e uma Porter, ótimas para o Monterey. As Dubbels, que tem notas carameladas e um aroma mais de passas, assim como as Belgian Ales suaves, também são boas escolhas”, conta.


Foto: Nayla Iglesias/Shutterstock

Marmorizados

É fã do Gorgonzola, do Roquefort e do Stilton? Então anote as dicas: “Eles precisam de um sabor mais marcante e acentuado, e o mofo azul, especificamente, tem uma similaridade ou complementariedade com os sabores do lúpulo. Cervejas bem lupuladas vão acentuar o amargor de ambos, mas nós também podemos ir para a amenização com bebidas com maior dulçor, como Belgian Strong Ale ou Trippel, uma belga que traz o melhor dos mundos junto do Gorgonzola. A Imperial Stout também vai funcionar porque a tosta ameniza o sal presente nesses queijos”, revela a especialista.

Duros

Aqui entram os queijos mais salgados e de sabor acentuado, como o Parmigiano, o Parmesão, o Grana Padano e o Pecorino: “Eles também apresentam bastante gordura, então sempre recomendo a harmonização com cervejas mais alcoólicas e com um dulçor acentuado, como a Quadruppel e a Gold Strong Ale. Elas vão permitir que você consuma mais tanto da cerveja quanto do queijo, tornando a experiência mais equilibrada”.