Foto: 4 PM production/Shutterstock

Nada mais comum do que associar o inverno ao vinho e outras bebidas quentes – mas para quem é fã da cerveja, é possível encontrar rótulos incríveis e ideais para degustar até mesmo nos dias mais frios. A sommelier Luiza Lugli Tolosa, sócia-fundadora da Cervejaria Dádiva, dá as dicas para acertar na escolha. 

“Eu digo que a cerveja sempre vai bem com tudo, mas em termos numéricos percebemos que as pessoas consomem mais nos dias ensolarados. Como somos um país tropical, tendemos a consumir em temperatura muito baixa, o que acaba sendo ruim. Quando colocamos a bebida abaixo dos zero graus, as nossas papilas gustativas ficam amortecidas e sentimos menos os sabores”, explica. 


Foto: Brent Hofacker/Shutterstock

Cerveja x aconchego

Existem algumas maneiras de consumir a cerveja no inverno para que ela te traga aquela sensação gostosa de aconchego que é tão buscada na estação – começando pelo teor alcoólico. “A quantidade de álcool vai muito de encontro com o sentimento que temos ao beber o vinho, porque ele tem cerca de 15%. Quando está frio é natural buscar por algo que aqueça, e muito disso vem do teor alcoólico. Temos cervejas que vão entregar exatamente isso, como as Stouts,  Doppelbock e Belgians, tipos que enchem mesmo a boca, com sabores mais complexos e corpo bem robusto”, indica. 

Outro ponto interessante a considerar é a temperatura de serviço da cerveja, já que algumas são criadas para consumo bem próximo ao do vinho, entre 8°C e 13°C. “Essas cervejas são bastante complexas, e são feitas para serem servidas nessa temperatura para que os aromas se volatilizem melhor, dando uma experiência sensorial muito rica e completa. Bons exemplos são as que passam por barricas de madeira”, conta. Aqui entram as Belgian Dark Strong Ales, as Imperial Stouts, as Weizenbocks, as Porters e as Dubbels

Enriquecendo os sabores 

Para que a sua experiência com cervejas no inverno seja ainda melhor, também é possível pensar em combinações de sabores que remetem ao aconchego e aquecimento da estação – combinando as bases mencionadas acima com ingredientes como o chocolate e o café. “Quando você tem uma base forte, encorpada e complexa, e ela recebe uma fruta vermelha, por exemplo, isso deixa a experiência mais interessante. Nós temos uma memória afetiva que afeta muito a maneira como percebemos a bebida, e se você consumia morango ou framboesas no inverno (que são frutas dessa época) e elas entram na composição da sua cerveja o sucesso é garantido. Nós também temos essas cervejas bem potentes, como a Stout, com cacau ou chocolate, que vão causar a mesma sensação”, aponta. 

Harmonização

Acha que só o vinho faz dupla com aquele fondue saboroso, ou com a tábua de queijos? É hora de riscar esse mito: “Há muitos que dizem que os queijos harmonizam melhor com a cerveja, porque ela tem alguns aspectos e elementos mais complexos que o vinho e são muitas variações possíveis. Além disso, nós temos algo que ele não tem: a carbonatação, que limpa o paladar e é perfeita para o consumo com queijos untuosos. Quando falamos em uma gorgonzola, por exemplo, podemos pensar nas opções bem alcoólicas, que vão de encontro com o alto teor de gordura do queijo, ou opções mais adocicadas, que vão harmonizar por contraste (como Belgian Strong Ale ou Trippel)”. 

Quer saber mais sobre como harmonizar cada tipo de queijo com cervejas especiais? Clique aqui.