Foto: Halfpoint/Shutterstock

Depois de mais de um ano em home office, o trabalho presencial começa a ser retomado – uma mudança que pede uma série de adaptações e que pode ser motivo de ansiedade para quem já havia se acostumado à nova realidade. Para tornar este momento mais tranquilo, o coach Francisco Almeida dá cinco dicas essenciais. 

Tudo igual?

Mesmo que o trabalho presencial já seja conhecido, é importante ter em mente que nem tudo será como antes, seja pelos novos protocolos de segurança, ou pela perda do hábito. “Quando deixamos de ir trabalhar presencialmente, precisamos de um tempo para voltar a nos adaptar, como acontece com a academia, por exemplo: se você deixa de treinar, o retorno é um pouco mais difícil e sofrido. É uma realidade nova e que pode gerar ansiedade, principalmente depois de todo o abalo emocional provocado pela pandemia”, explica. 

Foto: Josep Suria/Shutterstock

Esteja atento aos protocolos

Uma das maiores mudanças neste momento é ter que equilibrar a vida dentro do escritório com as novas regras sanitárias, já que o uso de máscaras, higienização das mãos e superfícies e distanciamento social seguem indispensáveis. “Estar bem informado sobre todos estes protocolos e segui-los à risca pode ser um desafio, mas é indispensável. É preciso entender que isso não é apenas uma norma, é um cuidado importante para a nossa proteção e para a proteção do outro. Procure manter a calma e ter isso sempre em mente”, aponta. 

Não se cobre demais

É bastante comum que uma mudança brusca de ambiente afete a maneira como você e os colegas lidam com entregas e que os processos criados ao longo da pandemia causem uma sensação de novidade – então evite cobrar-se demais e dê tempo ao tempo. “Tudo mudou muito na maneira como nós dividimos as nossas tarefas e isso aconteceu com todos, então provavelmente as rotinas dentro do escritório terão se transformado. Vamos precisar reaprender este trabalho em grupo, e é essencial estar aberto, sem querer que tudo seja exatamente como era há dois anos. Encare este momento como um aprendizado para evitar frustrações e foque no que você precisa fazer. É normal termos resistências à mudanças, mas elas vão acontecer e nós vamos nos adaptar novamente e criar novos processos”, conta.

Foto: Drazen Zigic/Shutterstock

Mantenha o foco

Conseguir manter o foco com a presença dos colegas pode sim ser um desafio depois de criar uma rotina sozinho, mas existem técnicas que podem ajudar. “As interrupções sempre aconteceram, mas nós nos desacostumamos a estar em ambientes com mais pessoas . Para driblar isso, faça uma lista do seu dia, com todas as tarefas que você precisa cumprir e vá ticando conforme for finalizando. Se for possível, comece sempre pelo que é mais complexo e difícil, porque a sensação de recompensa é maior e o seu dia fica mais leve e produtivo. Quando deixamos o que é mais difícil para o final acabamos ficando ansiosos com aquilo e quando vamos fazer já estamos cansados, principalmente quando não estamos tão familiarizados com o novo ritmo”, aconselha.

Faça pausas

Assim como você fazia no home office, tirar alguns minutos por dia para relaxar é essencial para aliviar o estresse e manter uma boa produtividade: “Essas pequenas pausas no trabalho continuam valendo no escritório, e isso é muito importante para reduzir a ansiedade, principalmente neste momento. Nós precisamos descomprimir, tirando um tempo para levantar, tomar um café ou estar ao ar livre, se distanciando um pouco entre uma tarefa e outra. 10 minutinhos podem fazer toda a diferença, e é importante que isso seja algo instituído nas empresas, que podem criar grupos para fazer pausas intercaladas sem gerar aglomerações”. 

Busque ajuda profissional

Você está com mais dificuldade para dormir, sentindo estresse, receio ou ansiedade? Saiba que tudo isso é normal com as constantes transformações na rotina e buscar ajuda pode fazer a diferença. “Se puder buscar ajuda profissional neste momento, essa é uma ótima ideia, porque estas mudanças podem nos afetar mais do que imaginamos. Cuidar da saúde e bem-estar mental é crucial”, finaliza.