Foto: Photographee.eu/Shutterstock

As cortinas não são apenas detalhes de decoração: além de completarem os ambientes e trazer mais aconchego, elas também são responsáveis por melhorar a funcionalidade, barrar o excesso de luz e até proteger o seu espaço de agentes externos, como poeira e fumaça, Por isso, escolher o modelo mais adequado para cada local pode ser considerado essencial. Saiba o que levar em conta. 

Foto: united photo studio/Shutterstock

O tamanho ideal

Um dos primeiros cuidados ao escolher a cortina diz respeito à largura e comprimento, que vai variar de acordo com o modelo. “Quando falamos em cortinas tradicionais de tecido, o ideal é calcularmos cerca de duas a três vezes o comprimento da janela para podermos ter aquela ondulação bonita mesmo quando elas estiverem fechadas. Se for um tecido grosso, calcule duas vezes, e, caso seja fino, três vezes”, explica o arquiteto Lucas Blaia, do escritório Blaia e Moura Arquitetos.

Já na altura, de acordo com o especialista, o mais indicado é que ela vá do teto ao chão, porque quando paramos na metade acabamos encurtando visualmente o pé direito, principalmente em apartamentos. “Quanto mais altas, maior a sensação de amplitude. As persianas e modelos roll-on devem ter exatamente o tamanho da janela”, completa.

As cortinas ideais para cada espaço

Foto: Dariusz Jarzabek/Shutterstock
Sala 

A sala tende a ser um ambiente multifuncional e, portanto, pede cortinas que se adequem aos diferentes momentos. “Precisamos analisar as necessidades. Se você utiliza a televisão e quer um cinema em casa, isso tem que ser levado em conta”, conta. Para quem usa o espaço para filmes e para receber, é interessante investir em cortinas com duas partes: um forro mais pesado, quase um blackout, para momentos em que for utilizar a TV, e outra mais leve e que deixe a luz passar para trazer claridade e frescor ao longo do dia. 

Foto: New Africa/Shutterstock
Quarto

O quarto pede aconchego e isso precisa estar refletido em cada detalhe, inclusive nas cortinas. “Se a sua janela já possui uma persiana blackout na própria estrutura, não é preciso ter outra. Neste caso, o ideal é trazer uma cortina leve e que deixe passar luz, apenas para complementar a decoração e deixar o espaço clean. Se não tiver, então será necessário ter uma persiana blackout ou uma cortina padrão com forro que bloqueie a luminosidade, essencial para dormir com mais conforto”, aponta. 

Foto: New Africa/Shutterstock

Escritório

O escritório pede a entrada de luz natural, mas de maneira controlada para que ela não atrapalhe a sua visualização e conforto ao longo do dia. “Nós precisamos dessa incidência, mas sem que o sol bata diretamente em você ou na tela do computador. Por isso, a melhor opção é trazer as persianas, que permitem que você regule o que ficará aberto e quanto de claridade irá entrar”, indica. 

Foto: Serghei Starus/Shutterstock

Cozinha e banheiros

A cozinha é um espaço de muita movimentação, gordura e vapor, uma combinação que pode dificultar a limpeza a praticidade caso o modelo de cortina não esteja adequado: “O melhor para nesse espaço e em áreas molhadas, como os banheiros e varandas, são as cortinas roll-on, de preferência em plástico ou outros materiais sintéticos. Isso te dá uma facilidade maior de higienização”.