Foto: 4 PM production/Shutterstock

Nesta sexta-feira (6), é comemorado o Dia Internacional da Cerveja – uma das bebidas mais antigas e apreciadas em todo o mundo! E para celebrar essa data tão especial, a sommelier Luiza Tolosa, sócia-fundadora da cervejaria Dádiva, revela seis grandes curiosidades sobre essa paixão nacional.

Bebida milenar!

Muita gente pensa automaticamente na Alemanha quando o assunto é cerveja, mas a sua origem é muito mais antiga: os primeiros registros de sua fabricação datam de aproximadamente 6 mil anos, provavelmente originários da Mesopotâmia. No ano de 2.100 a.C, já havia sinais de que os sumérios consumiam a bebida. “É difícil saber exatamente a origem, mas a informação que temos é que foram criadas pelos sumérios e eram as mulheres as grandes responsáveis pela produção da cerveja. Séculos mais tarde, na Idade Média, a cerveja ganhou ainda mais importância por ser mais segura de ser bebida do que a própria água”, explica. Já a fama da Alemanha se deve, principalmente, pela criação da primeira marca de cerveja do mundo, a Wheihenstephan Brewery, na região da Bavária. 

Foto: Rido/Shutterstock

Muitos estilos, poucas famílias

Você já deve ter notado que não faltam estilos de cervejas e novos rótulos surgindo diariamente – no entanto, essa variedade toda está distribuída apenas em três grandes famílias. “Essas famílias têm como base o tipo de fermentação, e delas se originam dezenas de estilos que podem ser bem diferentes, apesar de terem algumas características em comum. As Lager, as cervejas de baixa fermentação, geram menos subprodutos e, por isso, tendem a ser menos complexas. Já as Ales, que são produzidas com alta fermentação, criam muitos subprodutos. As Lambic, cervejas de fermentação espontânea, trazem aromas e sabores mais animalescos ou frutados, como o de couro, e realmente muito complexos, lembrando o vinho”, conta.  

Teor alcoólico variável

É comum achar que o teor alcoólico da cerveja é baixo quando comparado ao de outras bebidas e que é ele que confere o sabor amargo, mas isso não é exatamente verdade: apesar de, segundo a especialista, a maioria das cervejas ficar entre os 5 a 10% de álcool, existem opções com 67,5% e 70%  de graduação, ultrapassando destilados como a vodca (cerca de 40%) e o gin (entre 40% e 50%). “Também é errado dizer que o álcool traz complexidade e amargor, porque ele é apenas o resultado da fermentação. Se você tem muito açúcar para a levedura consumir, terá mais álcool, mas isso não influenciará tanto na cor, amargor e aromas”, completa. 

Foto: Andrey_Popov/Shutterstock

A importância da espuma

Você já ouviu que uma boa cerveja precisa ter uma espuma consistente? Então saiba que nem sempre é assim! “A espuma é uma característica de um estilo. Cervejas mais carbonatadas, como uma Weiss, Blond Ale ou Pilsen, precisam apresentar uma espuma mais densa e durável, porque ela ajuda na retenção de CO2 e conserva as borbulhas enquanto você bebe. No entanto, se você abriu alguma cerveja e ela quase não formou espuma pode ficar tranquilo: isso não é esperado em todos os tipos e não é sinal da qualidade da bebida”, esclarece. 

Cerveja trincando?

Em países quentes como o Brasil é comum consumir as cervejas bem geladas, algo reforçado por muitas propagandas da bebida. No entanto, isso pode prejudicar muito a sua experiência. “A temperatura baixa faz sentido quando pensamos que vivemos em um país tropical e mais quente, mas quando a cerveja está muito gelada as suas papilas gustativas acabam ficando amortecidas e você não sente tanto o sabor, além de perceber menos o aroma. Cada tipo tem a sua temperatura ideal, mas nunca indico beber a menos do que quatro graus”, alerta Luiza.

Foto: Africa Studio/Shutterstock

Muito além dos quatro ingredientes

Muita gente fica confusa ao ver que existem centenas de estilos de cerveja, mas que elas contam com apenas quatro ingredientes base. Como toda essa variedade é possível? A especialista esclarece: “Quando falamos em cerveja estamos pensando em água, malte, lúpulo e levedura, mas todos eles têm muitas variações que geram uma grande diferença quando combinados. Até mesmo a água interfere, e ela pode ser ajustada de acordo com a receita. O papel do cervejeiro é escolher cada um de maneira que o resultado final seja gostoso e bem feito, e existem centenas de combinações possíveis que trarão um resultado sensorial totalmente distinto”.