Elas viveram realidades muito diferentes e contribuições bastante distintas, mas têm algo que as une: todas se tornaram sinônimo de inspiração ao redor do mundo. Para celebrar o Dia Internacional da Mulher, o blog Fast Life te convida a conhecer as histórias de mulheres incríveis.

“A sapatilha que mudou meu mundo”, de Ingrid Silva

Foto: reprodução

Hoje referência no balé, a carioca Ingrid Silva começou sua trajetória em um projeto social que levava aulas da dança a comunidades carentes. Enfrentando obstáculos como o preconceito e a falta de conhecimento do idioma inglês, ela se mudou para os Estados Unidos para integrar a Dance Theatre of Harlem. Foi aí que a bailarina profissional se deparou com um novo problema: as sapatilhas, que deveriam “sumir” durante as rotinas de dança, eram feitas pensando em pessoas brancas. Por isso, a brasileira passou mais de uma década pintando seus pares até chamar a atenção para que os calçados fossem fabricados com a cor da sua pele. Hoje, suas sapatilhas pintadas à mão são peça do Museu Nacional de Arte Africana Smithsonian. Por sua história, Ingrid se transformou em um ícone não só do balé, mas do empoderamento.


“Eu sou Malala”, de Malala Yousafzai e Christina Lamb

Foto: reprodução

Impossível falar sobre mulheres inspiradoras e deixar Malala, uma das mais jovens figuras a receber um prêmio Nobel da Paz, de fora. Sua história é símbolo de força, de resiliência e da busca pela igualdade e pelo direito das mulheres. Ela vivia no Paquistão dominado pelo Talibã, ela se recusou a seguir as regras que restringem a educação das mulheres e lutou pelo direito a estudar. Foi por conta disso que sofreu um atentado e quase perdeu a vida. Ao sobreviver, se tornou uma figura incansável na luta por um mundo mais justo, igualitário em que a educação é um direito inalienável de todos.

 “Angela Merkel: A chanceler e seu mundo”, de Stefan Kornelius

Foto: reprodução

Aliados e opositores concordam em um ponto: Angela Merkel foi uma das mulheres mais influentes e poderosas da política mundial. Primeira mulher a se eleger chanceler da Alemanha, ela governou uma das maiores potências da Europa por quatro mandatos consecutivos – de 2005 a 2021 –, além de se tornar líder da União Europeia. Apesar de sua formação em Química Quantica, ela entrou para a política, um universo até hoje majoritariamente masculino, em 1989. Merkel foi ministra e líder de partido antes de assumir o cargo que a consagrou.

“Clarice”, de Benjamin Moser

Foto: reprodução

Mulher, determinada e protagonista de sua história, essas são as características de Clarice Lispector. Embora tenha nascido na Ucrânia, foi trazida ao Brasil com apenas um ano de idade – acompanhada por sua família, judaica, fugitiva em um período de guerra e perseguição racial. Cursou Direito, com o sonho de diminuir as injustiças e reformar as penitenciárias. Se formou, mas nunca deixou de lado sua paixão por escrever – publicando seu primeiro conto, “Triunfo”, aos dezenove anos. Com o passar do tempo, perdeu o interesse pelo Direito e decidiu se aventurar pela Literatura, embarcando na carreira de jornalista e escritora. Em 1943, conquistou o Prêmio Graça Aranha com o romance “Perto do Coração Selvagem” – o primeiro entre muitos reconhecimentos de sua vida. Em um nicho predominantemente masculino, Clarice se destacou e deixou sua marca no movimento Modernista. Suas obras são referências mundiais até os dias de hoje, trazendo personagens femininas, conflitos psicológicos e um estilo inconfundível.

“Ada Lovelace, a Condessa Curiosa”, de Sílvia Amélia Bim

Foto: reprodução

Ada Lovelace, também chamada de Condessa de Lovelace, viveu entre 1815 e 1852, e é conhecida como a primeira programadora do mundo. Isso porque ela elaborou planos de como uma máquina chamada Analytical Engine deveria realizar cálculos. Segundo especialistas, os aplicativos de Lovelace se relacionam em grande parte à forma como os computadores são usados hoje. Sua contribuição foi tão impactante que sua história é celebrada anualmente no Dia Ada Lovelace, comemorado na segunda terça-feira de outubro. O dia internacional homenageia as mulheres nos campos da ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM).