Foto: gpointstudio/ Shutterstock

Nem sempre é fácil fazer as crianças comerem legumes e vegetais e manterem uma alimentação saudável – no entanto, algumas estratégias podem ajudar a tornar o momento das refeições mais tranquilo e com todos os nutrientes que o seu filho precisa! A pediatra Patrícia Marañon Terrível dá as dicas.

“É muito importante que alimentos saudáveis sejam apresentados desde o início da alimentação sólida para que o costume de comer de tudo seja criado. Mas, mesmo com esse cuidado, é comum que as crianças fiquem mais seletivas após os dois ou três ano e comecem a ter preferências, dizendo que não gostam de certos vegetais e se recusando a comer”, explica.

Foto: Onjira Leibe/Shutterstock

Prato equilibrado

De acordo com a especialista, todas as principais refeições do dia precisam conter os grupos alimentares considerados essenciais para que o prato seja considerado saudável: um carboidrato, duas hortaliças, uma proteína e uma leguminosa (como ervilha, feijão, lentilha ou grão de bico).

Foto: Prostock-studio/Shutterstock

Aposte em variedade (e criatividade)

Uma das melhores estratégias para tentar driblar a falta de interesse dos pequenos pelos legumes e vegetais é tentar apresentar mais variedade – uma estratégia que também é importante do ponto de vista nutricional. “Nós precisamos variar os alimentos o máximo possível, e temos centenas de opções em cada grupo. Isso é bom para a saúde, e ainda ajuda a gerar interesse, porque mesmo adultos acabam se cansando de comer sempre as mesmas coisas e com a mesma forma de preparo. Se apresentou uma batata cozida em um dia, tente trazer gratinada em uma refeição futura, por exemplo”, indica.

Além de variar os preparos – o que pode até fazer com que a criança aceite comer aquele brócolis que sempre acaba de lado no prato – também é válido pensar em apresentações lúdicas e divertidas, que costumam chamar a atenção e tornam o momento da refeição mais especial. Outra estratégia que funciona é envolvê-la no preparo dos alimentos, criando uma ligação especial e fazendo com que ela se sinta parte das refeições.

Não force a quantidade

Você acha que o seu filho costuma comer pouco e que sempre sobra muita comida no prato? Calma, isso nem sempre é um problema. “Muitas vezes os pais pensam que a criança deveria comer tudo, mas não é preciso consumir uma grande quantidade. O mais importante é ter variedade e que ela coma de tudo um pouco, e não necessariamente raspar o prato. É preciso respeitar o quanto ela quer comer, para que isso não se torne um problema mais tarde, com compulsão alimentar e sobrepeso”, alerta.

Ele recusou, e agora?

Mesmo com todo o cuidado, as crianças ainda assim podem acabar fazendo birra e rejeitando alimentos. O importante? Não desistir! “Durante a introdução alimentar é comum precisar apresentar 10 ou 15 vezes um mesmo alimento até que a criança aceite. Com as mais velhas, a dica é trazer novamente esse legume ou vegetal rejeitado em uma semana, com outra forma de preparo. Caso ela se recuse totalmente a comer, a dica é não dar uma bolacha ou outra guloseima para compensar, porque isso gera um costume e ela aprende que pode simplesmente não comer o que os pais oferecem para ganhar o que querem. Guarde o prato e, quando ela tiver fome, apresente novamente. É difícil, mas essencial”.