Foto: Africa Studio/Shutterstock

Já pensou em unir o sabor inconfundível do vinho com o doce mais tradicional da Páscoa, o chocolate? Apesar de inusitada, a combinação traz uma série de sabores únicos, em uma experiência rica e equilibrada. O sommelier de vinhos internacional, Fernando Perazza, entrega as melhores dicas e opções para acertar na harmonização dessas duas delícias. 

Apesar deste tipo de harmonização funcionar bem, ele também requer alguns cuidados. De acordo com o especialista, se ficar em dúvida, o ideal é utilizar a regra básica de ter um vinho igualmente ou mais doce que o chocolate, nunca ácido. “Assim você evita que a combinação eleve a acidez e seja desagradável ao paladar”, completa. 

Foto: 5PH/Shutterstock

Chocolate branco

O mais doce dos chocolates harmoniza com vinhos que se assemelham em doçura e textura. “Priorize os rótulos com fermentação malolática, como os moscatéis, que acrescentam um toque amanteigado à bebida e combinam com a alta quantidade de açúcar”, indica. Os brancos e tintos leves também entram na lista. Entre eles, Fernando destaca os Moscatos e o Licorosos

Chocolate ao leite

Um dos mais tradicionais e consumidos na Páscoa também pede um vinho doce, mas com um leque maior de possibilidades. “Por ser cremoso e um pouco menos açucarado que o chocolate branco, o chocolate ao leite aceita todas as opções citadas anteriormente e muitas outras. Escolha tintos leves, frutados e com baixo teor alcoólico, como Gamay, Merlot e Grenache. Além de vinhos brancos maduros e com um toque leve de carvalho, como Viognier, Chardonnay e Pinot Gris. Outra sugestão simples e segura é o vinho do Porto, capaz complementar o sabor do chocolate ao leite sem anulá-lo”, revela.  

Foto: Sebastian Duda/Shutterstock

Chocolate meio-amargo

“Além do menor teor de açúcar, possuem menos gordura e mais do sabor e aroma do cacau. Por serem fortes e bem marcados, combinam com tintos e vinhos com características semelhantes. Para o meio amargo, o ideal é um vinho mais encorpado, que concilie com o sabor intenso. Experimente um Cabernet Sauvignon, Shiraz ou Merlot. Ou, para ampliar a experiência, vinhos com aromas frutados e amadeirados”, sugere.

Chocolate amargo 

Chocolates com teor de cacau mais elevado, entre 70 e 90%, são mais intensos e, segundo o especialista, exigem vinhos com notas torradas e terrosas. Para acompanhar, aposte em um tinto encorpado, com taninos redondos e sabor frutado, dos tipos Cabernet Sauvignon, Malbec e Zinfandel. “Outras escolhas certeiras são os tintos de sobremesa, como o Porto e Madeira, de Portugal, e Banyuls, de Languedoc e Roussilion, no Sul de França. Para eles, minha sugestão é optar por rótulos mais antigos, pois os anos amaciam o tanino e acentuam os aromas”, completa.

Para os que não apreciam o sabor amargo, mas ficaram curiosos com a combinação, a dica é tentar uma harmonização por contraste: uma união excêntrica e saborosa em que o açúcar do vinho doce se contrapõe, e completa, o amargor do cacau. “Invista em vinhos com um médio teor de açúcar ou que levem frutas doces, que ajudam a suavizar a amargura dos taninos do chocolate”, aponta.

Chocolates recheados Chocolates que levam outros ingredientes, como caramelo, pedaços de frutas, castanhas, entre outros, exigem mais cuidado na seleção: “É importante se atentar ao sabor que predomina no doce e escolher um vinho a partir do ingrediente extra. Ou seja, para um chocolate com laranja, procure um vinho com notas de laranja; no caso das nozes, alguma opção com carvalho que traga nuances de castanhas. Se levar amêndoas, opte com um Merlot, por ser leve, frutado e com menor teor de álcool. Ou o Porto Tawny, para uma experiência aromática mais intensa“.